12/08/2016

A abertura da Rio 2016 e o storytelling que encantou o mundo

Uma história bem contada emociona, encanta e vende muito bem uma ideia. A abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016 teve quase 4 horas de duração e foi elogiada pela imprensa do mundo todo. O roteiro do espetáculo foi construído usando uma técnica conhecida como storytelling.


Storytelling é uma das maneiras mais antigas de transmitir uma informação. Esse tipo de narrativa conta uma história através de elementos que causam uma conexão emocional e pessoal com o seu público. Essa estrutura de roteiro é mais comum do que se imagina e está presente na literatura, teatro, cinema, videogames e também - acredite - no marketing.

 

O storytelling olímpico


O tema da abertura das olimpíadas foi a formação da sociedade brasileira. Com a ajuda de 30 mil voluntários, além da direção de Fernando Meirelles, Daniela Thomas e Andrucha Waddginton, o estádio do Maracanã se transformou em um grande palco de teatro. Foram necessários 14 km de cabos, 2 mil canhões de luz e 3 mil kg de fogos de artifício para dar todo o brilho da festa.


Em cena e seguindo o storytelling, a história da construção da identidade do povo brasileiro foi narrada desde a formação das florestas tropicais, passando pelos povos indígenas, até a chegada dos europeus, africanos e asiáticos - destacando a migração e a miscigenação.


Teve ainda um voo pelo Rio de Janeiro com o 14 Bis de Santos Dumont, desfile da modelo Gisele Bündchen ao som de Garota de Ipanema e a apresentação de diversos artistas que mostraram a diversidade musical do Brasil através do samba, funk, MPB e rap.


Por que essa ideia deu certo?


Uma boa história precisa ser autêntica e criativa para causar algum sentimento em quem está assistindo. A abertura da Rio 2016 deu certo porque utilizou perfeitamente o conceito de storytelling: inspirou e trouxe ao público uma história com mudanças e transformações.


A forma como uma nação vê o mundo está intimamente relacionada com a sua história e é por isso que a identidade dos brasileiros possui um valor coletivo. Quando você se deparou com todos os personagens durante a abertura olímpica deu um certo orgulho de ser brasileiro? Bingo! É exatamente isso o que o storytelling busca trazer aos espectadores.


Storytelling no marketing


O storytelling tem se tornado uma boa estratégia para alavancar as vendas de diversas empresas. Da mesma forma que a abertura das olimpíadas no Rio encantou e causou uma forte conexão do povo com a história do país, você pode estabelecer uma relação entre a sua marca e clientes. Abaixo, separamos alguns cases de storytelling que fizeram sucesso.


Dove “Retratos da Real Beleza”


A campanha premiadíssima apresentou o conflito que muitas mulheres passam ao longo da vida: o de acreditarem que são feias ou fora do padrão de beleza imposto pelos meios hegemônicos.


Algumas mulheres foram convidadas a entrar numa sala em que havia um desenhista, sem ter contato direto um com o outro. O desenhista fazia perguntas sobre a pele, cabelo, rosto, de modo que as mulheres pudessem se descrever para que ele as desenhasse.  Em seguida, uma outra pessoa, que havia conhecido a participante no dia, entrava na sala. Então o desenhista pedia pra ela descrever a mulher que ela viu. Esse segundo relato gerava um outro desenho da mesma pessoa.


No fim, temos um retrato de como a mulher vê a si mesma e, ao lado, o outro retrato de como essa pessoa é vista pelos outros. O impacto da mensagem é grande. Confira no vídeo:


 

Volkswagen “Os últimos desejos da Kombi”


Em 2014, a linha de produção da Kombi foi encerrada com uma belíssima campanha que se transformou em um grande case de storytelling. O produto, que estava deixando de existir, emocionou o público com um vídeo de quase 5 minutos narrando a história do veículo. Como a própria Kombi diz no vídeo, “não dava pra ir embora assim, sem mais nem menos”. Dá uma olhada na campanha:



 

Ficou emocionado? Nós também! Que tal tentar implantar o storytelling na sua marca?




 Mais publicações